Polícia - 01/11/2018, 10:00

Soldado da Força Tática é morto com tiro no peito durante assalto

O policial militar  Gilson Luiz de Araújo, 32 anos, foi morto com um tiro no peito na noite dessa quarta-feira (31) no município de Corrente, localizado no extremo Sul do Estado.


Divulgação Midi ccc

O policial militar  Gilson Luiz de Araújo, 32 anos, foi morto com um tiro no peito na noite dessa quarta-feira (31) no município de Corrente, localizado no extremo Sul do Estado. O comandante do 7º Batalhão da Polícia Militar, coronel Hortêncio Santos, informou ao Cidadeverde.com que o soldado foi vítima de latrocínio. O crime foi praticado por volta das 9h. 

O comandante conta que o policial estava encostado em seu carro quando foi abordado por dois criminosos, que anunciaram o assalto. O PM teria reagido e efetuado um disparo de arma de fogo contra os assaltantes, que não foram atingidos. Neste momento os bandidos deram um tiro de espingarda calibre 12 no peito do soldado. 

O policial ainda foi socorrido, mas morreu ainda na noite de ontem no hospital regional de Corrente. Após o crime, o comandante Hortêncio convocou todos os policiais militares do 7º Batalhão, inclusive o que estavam de folga, para realizarem buscas pelos suspeitos. 

“Os dois foram detidos e encaminhados à Polícia Civil. Um deles é menor de idade”, informa o comandante.  Os suspeitos são identificados como Mikael Marques Silva, 26 anos, e V. M, 16.

A morte do policial, que era lotado na Força Tática, causou uma forte comoção na Polícia Militar do Piauí. O comandante do 7º BPM lamentou o assassinato do soldado Gilson e disse que o momento é de “muita dor”. 

“Combatemos essa violência diariamente e agora aconteceu com um dos nossos. É uma situação triste. A gente não sabe nem o que dizer e o que falar. Abateu muito o batalhão e toda corporação”, lamenta o coronel Hortêncio.

Nesta quinta-feira (1) faz três anos que o soldado Gilson ingressou na Polícia Militar. Natural de Ibititá(BA), o policial e a família moravam em Corrente desde que ele foi aprovado em concurso público, em 2015. 

O soldado Gilson deixa dois filhos e a esposa, que é deficiente visual. Todos estão muito abalados com a morte do PM.

O corpo do policial será levado ainda hoje para Bahia. 


Fonte: Cidade Verde
Comentários